Notícias e Artigos Litúrgicos
Ver matéria completa ...
Homilia do Papa Francisco na canonização de Irmã Dulce e outros beatos

Santa Missa com o rito da canonização dos beatos: John Henry Newman, Giuseppina Vannini, Mariam Thresia Chiramel Mankidiyan, Margherita Bays e a brasileira irmã Dulce Lopes Pontes
Praça São Pedro – Vaticano
Domingo, 13 de outubro de 2019

Boletim da Santa Sé

«A tua fé te salvou» (Lc 17, 19). É o ponto de chegada do Evangelho de hoje, que nos mostra o caminho da fé. Neste percurso de fé, vemos três etapas, vincadas pelos leprosos curados, que invocam, caminham e agradecem.

Primeiro, invocar. Os leprosos encontravam-se numa condição terrível não só pela doença em si, ainda hoje difusa e devendo ser combatida com todos os esforços possíveis, mas pela exclusão social. No tempo de Jesus, eram considerados impuros e, como tais, deviam estar isolados, separados (cf. Lv 13, 46). De facto, quando vão ter com Jesus, vemos que «se mantêm à distância» (Lc 17, 12). Embora a sua condição os coloque de lado, todavia diz o Evangelho que invocam Jesus «gritando» (17, 13) em voz alta. Não se deixam paralisar pelas exclusões dos homens e gritam a Deus, que não exclui ninguém. Assim se reduzem as distâncias, e a pessoa sai da solidão: não se fechando em auto lamentações, nem olhando aos juízos dos outros, mas invocando o Senhor, porque o Senhor ouve o grito de quem está abandonado.

Também nós – todos nós – necessitamos de cura, como aqueles leprosos. Precisamos de ser curados da pouca confiança em nós mesmos, na vida, no futuro; curados de muitos medos; dos vícios de que somos escravos; de tantos fechamentos, dependências e apegos: ao jogo, ao dinheiro, à televisão, ao celular, à opinião dos outros. O Senhor liberta e cura o coração, se O invocarmos, se lhe dissermos: «Senhor, eu creio que me podeis curar; curai-me dos meus fechamentos, livrai-me do mal e do medo, Jesus». No Evangelho de Lucas, os primeiros a invocar o nome de Jesus são os leprosos. Depois fá-lo-ão também um cego e um dos ladrões na cruz: pessoas carentes invocam o nome de Jesus, que significa Deus salva. De modo direto e espontâneo chamam Deus pelo seu nome. Chamar pelo nome é sinal de confidência, e o Senhor gosta disso. A fé cresce assim, com a invocação confiante, levando a Jesus aquilo que somos, com franqueza, sem esconder as nossas misérias. Invoquemos diariamente, com confiança, o nome de Jesus: Deus salva. Repitamo-lo: é oração. A oração é a porta da fé, a oração é o remédio do coração.

Caminhar é a segunda etapa. Neste breve Evangelho de hoje, aparece uma dezena de verbos de movimento. Mas o mais impressionante é sobretudo o facto de os leprosos serem curados, não quando estão diante de Jesus, mas depois enquanto caminham, como diz o texto: «Enquanto iam a caminho, ficaram purificados» (17, 14). São curados enquanto vão para Jerusalém, isto é, palmilhando uma estrada a subir. É no caminho da vida que a pessoa é purificada, um caminho frequentemente a subir, porque leva para o alto. A fé requer um caminho, uma saída; faz milagres, se sairmos das nossas cômodas certezas, se deixarmos os nossos portos serenos, os nossos ninhos confortáveis. A fé aumenta com o dom, e cresce com o risco. A fé atua, quando avançamos equipados com a confiança em Deus. A fé abre caminho através de passos humildes e concretos, como humildes e concretos foram o caminho dos leprosos e o banho de Naaman no rio Jordão, que ouvimos na primeira Leitura (cf. 2 Re 5, 14-17). O mesmo se passa conosco: avançamos na fé com o amor humilde e concreto, com a paciência diária, invocando Jesus e prosseguindo para diante.

Outro aspeto interessante no caminho dos leprosos é que se movem juntos. Refere o Evangelho, sempre no plural, que «iam a caminho» e «ficaram purificados» (Lc 17, 14): a fé é caminhar juntos, jamais sozinhos. Mas, uma vez curados, nove continuam pela sua estrada e apenas um regressa para agradecer. E Jesus desabafa a sua mágoa assim: «Onde estão os outros nove?» (17, 17). Quase parece perguntar pelos outros nove, ao único que voltou. É verdade! Constitui tarefa nossa – de nós que estamos aqui a «fazer Eucaristia», isto é, a agradecer –, constitui nossa tarefa ocuparmo-nos de quem deixou de caminhar, de quem se extraviou: somos guardiões dos irmãos distantes. Somos intercessores por eles, somos responsáveis por eles, isto é, chamados a responder por eles, a tê-los a peito. Queres crescer na fé? Ocupa-te dum irmão distante, duma irmã distante.

Invocar, caminhar e… agradecer: esta é a última etapa. Só àquele que agradece é que Jesus diz: «A tua fé te salvou» (17, 19). Não se encontra apenas curado; também está salvo. Isto diz-nos que o ponto de chegada não é a saúde, não é o estar bem, mas o encontro com Jesus. A salvação não é beber um copo de água para estar em forma; mas é ir à fonte, que é Jesus. Só Ele livra do mal e cura o coração; só o encontro com Ele é que salva, torna plena e bela a vida. Quando se encontra Jesus, brota espontaneamente o «obrigado», porque se descobre a coisa mais importante da vida: não o receber uma graça nem o resolver um problema, mas abraçar o Senhor da vida.

É encantador ver como aquele homem curado, que era um samaritano, manifesta a alegria com todo o seu ser: louva a Deus em voz alta, prostra-se, agradece (cf. 17, 15-16). O ponto culminante do caminho de fé é viver dando graças. Podemos perguntar-nos: Nós, que temos fé, vivemos os dias como um peso a suportar ou como um louvor a oferecer? Ficamos centrados em nós mesmos à espera de pedir a próxima graça, ou encontramos a nossa alegria em dar graças? Quando agradecemos, o Pai deixa-Se comover e derrama sobre nós o Espírito Santo. Agradecer não é questão de cortesia, de etiqueta, mas questão de fé. Um coração que agradece, permanece jovem. Dizer «obrigado, Senhor», ao acordar, durante o dia, antes de deitar, é antídoto ao envelhecimento do coração. E o mesmo se diga em família, entre os esposos: lembrem-se de dizer obrigado. Obrigado é a palavra mais simples e benéfica.

Invocar, caminhar, agradecer. Hoje, agradecemos ao Senhor pelos novos Santos, que caminharam na fé e agora invocamos como intercessores. Três deles são freiras e mostram-nos que a vida religiosa é um caminho de amor nas periferias existenciais do mundo. Ao passo que Santa Margarida Bays era uma costureira e revela-nos quão poderosa é a oração simples, a suportação com paciência, a doação silenciosa: através destas coisas, o Senhor fez reviver nela o esplendor da Páscoa. Da santidade do dia a dia, fala o Santo Cardeal Newman quando diz: «O cristão possui uma paz profunda, silenciosa, oculta, que o mundo não vê. (…) O cristão é alegre, calmo, bom, amável, educado, simples, modesto; não tem pretensões, (…) o seu comportamento está tão longe da ostentação e do requinte que facilmente se pode, à primeira vista, tomá-lo por uma pessoa comum» (Parochial and Plain Sermons, V, 5). Peçamos para ser, assim, «luzes gentis» no meio das trevas do mundo. Jesus, «ficai connosco e começaremos a brilhar como brilhais Vós, a brilhar de tal modo que sejamos uma luz para os outros» (Meditations on Christian Doctrine, VII, 3). Amen.

Ver matéria completa ...
Conheça os 5 novos santos da Igreja Católica

Neste domingo, 13 de outubro, o Papa Francisco canonizou cinco beatos, incluindo o Cardeal John Henry Newman, um sacerdote convertido do Anglicanismo, e a beata Dulce Lopes Pontes, primeira santa brasileira.

Conheçam um pouco mais sobre a vida destes 5 novos santos da Igreja Católica:

1. Cardeal John Henry Newman

John Henry Newman nasceu em Londres em 1801. Foi ordenado sacerdote da Igreja Anglicana, onde serviu por anos como pároco de St. Clement, em Oxford. Em 1845, converteu-se ao catolicismo e, alguns anos depois, foi ordenado sacerdote da Igreja Católica. Fundou os Oratórios de São Felipe Neri e foi criado cardeal em 1879, tendo como lema "Cor ad cor loquitur" (O coração fala ao coração). Morreu em 11 de agosto de 1880.

Bento XVI o beatificou em 19 de setembro de 2010, graças à cura milagrosa do diácono Jack Sullivan, de Braintree, Massachusetts, que se recuperou de uma doença na coluna vertebral que o impedia de caminhar, e rezou ao Cardeal Newman pedindo sua intercessão.

O milagre que permitiu sua canonização é a cura de uma mulher grávida norte-americana que rezou pedindo a intercessão do Cardeal depois de receber um diagnóstico muito grave. Os médicos ainda não explicam como a mulher, da Arquidiocese de Chicago, conseguiu se recuperar.

2. Giuseppina Vannini

Giuseppina Vannini nasceu em Roma em 1859. Aos quatro anos de idade, perdeu o pai e, três anos depois, a mãe. Separada de seus dois irmãos, foi acolhida no Conservatório Torlonia, de Roma. Durante alguns exercícios espirituais, conheceu o sacerdote camiliano Pe. Luigi Tezza, que reconheceu nela a pessoa indicada para iniciar uma nova congregação fundada, em 1892, com o nome de Filhas de São Camilo.

Morreu em 1911 e, em 16 de outubro de 1994, foi beatificada por São João Paulo II, graças ao milagre realizado em Olga Nuñez, de Buenos Aires, que sofria de melanoma. As Filhas de São Camilo colocaram uma relíquia de Madre Giuseppina em seu leito hospitalar, enquanto rezavam uma novena pedindo a intercessão de sua fundadora. Milagrosamente, a doença começou a desaparecer, até curar completamente.

O segundo milagre, e o que permitiu sua canonização, envolve Arno Celson Klauck, mestre de obras de Sinop (MT  - Brasil), que caiu do terceiro andar pelo poço do elevador enquanto colocava vigas de madeira. Ele invocou a ajuda da religiosa enquanto caía. Milagrosamente, foi encontrado apenas com hematomas.

3. Maria Teresa Chiramel Mankidiyan

Maria Teresa Chiramel Mankidiyan nasceu em 1876, em Puthenchira, no estado de Kerala (Índia), recebeu de Deus muitos favores místicos, como ter visões de Nossa Senhora e dos santos, além dos estigmas de Cristo, em 1909, e que ela sempre manteve em segredo. Em 1914, fundou a congregação das Irmãs da Sagrada Família. Teve uma queda que causou uma ferida, que não pôde ser controlada devido ao diabetes que sofria e morreu em 1926.

Foi beatificada por São João Paulo II, em 9 de abril de 2000, graças à cura milagrosa de Mathew D. Pellissery, nascido com pé equinovaro congênito, uma doença que deforma os pés. A família pediu a intercessão da beata através da oração e do jejum. Um dia, o pé direito amanheceu totalmente certo; no ano seguinte, aconteceu o mesmo com o pé esquerdo.

Um segundo milagre, e o que permite sua canonização, é a cura de um bebê em 2009. Christopher nasceu com pulmões subdesenvolvidos e três buracos no coração, os médicos não lhe deram muito tempo de vida. Em um momento de crise respiratória, a avó do menino trouxe uma relíquia da religiosa e, com a oração da família, Christopher se recuperou. Atualmente, tem 10 anos.

4. Irmã Dulce Lopes Pontes

Maria Rita Lopes Pontes nasceu em 1914, tinha seis anos quando a mãe morreu e, aos 18, ingressou na Congregação das Irmãs Missionárias da Imaculada Conceição da Mãe de Deus, onde passou a se chamar Dulce. Fundou a União dos Trabalhadores de São Francisco, um movimento operário cristão na Bahia, e o hospital Santo Antônio. Faleceu em 1992 por sua saúde debilitada.

O milagre de sua beatificação ocorreu em 2001, quando Claudia Cristina dos Santos, hoje com 42 anos, apresentou uma hemorragia incontrolável depois do parto. Após três intervenções, os médicos perderam a esperança, mas sua família decidiu pedir a intercessão da beata e o sangramento parou imediatamente.

O segundo milagre que a levou à canonização é a cura milagrosa de José Maurício Bragança Moreira, que estava cego devido a um glaucoma grave. Um dia, enquanto sofria de conjuntivite, colocou uma pequena estátua da religiosa sobre o olho, pedindo sua intercessão. Quando ele acordou, descobriu que podia ver novamente.

5. Margarita Bays

Margarita Bays nasceu na Suíça, no cantão de Friburgo, em 1815. Filha de agricultores, desenvolveu ao longo de sua vida o trabalho de costureira. Adoeceu com câncer antes dos 40 anos, mas foi inexplicavelmente curada, em 8 de dezembro de 1854, dia em que Pio IX proclamou o dogma da Imaculada Conceição. Viveu muitas experiências místicas e experimentou os estigmas. Morreu em 27 de junho de 1879.

Foi beatificada por São João Paulo II, em 29 de outubro de 1995, após a aprovação do primeiro milagre operado por sua intercessão. Isso ocorreu em 1940, quando, durante uma subida à montanha Dent-de-Lys, nos Alpes Berneses, quatro alpinistas caíram no vazio devido ao terreno escorregadio. O único que sobreviveu disse que pediu a intercessão de Margarita durante o acidente.

O segundo milagre, que a leva à canonização, ocorreu em 1998. Um avô rezou à beata ao ver que sua neta de dois anos caiu embaixo de um trator em movimento. Milagrosamente, a menina ficou ilesa. As investigações assinalam que era "medicamente impossível" sobreviver.

Ver matéria completa ...
Irmã Dulce dos Pobres foi canonizada pelo Papa Francisco

Irmã Dulce é santa. A celebração litúrgica com o rito da canonização reuniu cerca de 50 mil pessoas na Praça São Pedro. Com o “Anjo bom da Bahia”, foram canonizados também João Henrique Newman, Josefina Vannini, Maria Teresa Chiramel Mankidiyan, e Margarida Bays.

A cerimônia teve início com o rito da canonização: o prefeito da Congregação das Causas dos Santos, Cardeal Angelo Becciu, acompanhado dos postuladores, foi ao Papa Francisco e pediu que se procedesse à canonização dos beatos. O cardeal apresentou brevemente a biografia de cada um deles, que foram então declarados santos. Seguiu a ladainha dos santos e o Pontífice leu a fórmula de canonização.

O prefeito da Congregação, sempre acompanhado dos postulares, agradeceu ao Santo Padre e o coral entoou o canto do Glória. Na homilia, o Papa Francisco comentou o Evangelho deste 28º Domingo do Tempo Comum, que narra a cura de 12 leprosos.

“A tua fé te salvou” (Lc 17, 19). É o ponto de chegada do Evangelho de hoje, que mostra o caminho da fé. Neste percurso de fé, afirmou o Papa, é possível ver três etapas cumpridas pelos leprosos curados, que invocam, caminham e agradecem.

Primeiro, invocar. Assim como hoje, os leprosos sofrem pela doença em si e pela exclusão social. No tempo de Jesus, eram considerados impuros e, como tais, deviam estar isolados, separados. Eles invocam Jesus “gritando” e o Senhor ouve o grito de quem está abandonado.

“Também nós – todos nós – necessitamos de cura, como aqueles leprosos. Precisamos ser curados da pouca confiança em nós mesmos, na vida, no futuro; curados de muitos medos; dos vícios de que somos escravos; de tantos fechamentos, dependências e apegos: ao jogo, ao dinheiro, à televisão, ao celular, à opinião dos outros. O Senhor liberta e cura o coração, se O invocarmos”, afirmou Francisco.

A fé cresce assim, prosseguiu o Santo Padre, com a invocação confiante. “Invoquemos diariamente, com confiança, o nome de Jesus: Deus salva. Repitamos: é oração. A oração é a porta da fé, a oração é o remédio do coração”, sublinhou

Caminhar é a segunda etapa. Os leprosos são curados não quando estão diante de Jesus, mas depois enquanto caminham: “É no caminho da vida que a pessoa é purificada, um caminho frequentemente a subir, porque leva para o alto. A fé requer um caminho, uma saída; faz milagres, se sairmos das nossas cômodas certezas, se deixarmos os nossos portos serenos, os nossos ninhos confortáveis”.

Outro aspecto ressaltado pelo Papa é o plural dos verbos: “a fé é caminhar juntos, jamais sozinhos”. Mas, uma vez curados, nove continuam pela sua estrada e apenas um regressa para agradecer. E Jesus então pergunta: “Onde estão os outros nove? Constitui nossa tarefa ocuparmo-nos de quem deixou de caminhar, de quem se extraviou: somos guardiões dos irmãos distantes. Quer crescer na fé? Ocupa-se de um irmão distante”.

Agradecer é a última etapa. Ao leproso curado, Jesus diz: “A tua fé te salvou”. “Isto diz-nos que o ponto de chegada não é a saúde, não é o estar bem, mas o encontro com Jesus”. O ponto culminante do caminho de fé é viver dando graças. O Papa então questiona: “Nós, que temos fé, vivemos os dias como um peso a suportar ou como um louvor a oferecer? Ficamos centrados em nós mesmos à espera de pedir a próxima graça, ou encontramos a nossa alegria em dar graças? Agradecer não é questão de cortesia, de etiqueta, mas questão de fé”.

Dizer “obrigado, Senhor”, ao acordar, durante o dia, antes de deitar, é antídoto ao envelhecimento do coração, de acordo com o Pontífice. O motivo para agradecer deste domingo, 13, segundo Francisco, são os novos Santos, que caminharam na fé e agora o povo de Deus os invoca como intercessores. Três deles, disse o Papa, são freiras, como Irmã Dulce, e mostram que a vida religiosa é um caminho de amor nas periferias existenciais do mundo.

Ver matéria completa ...
Catedral celebrará Dia da Padroeira

A Paróquia Nossa Senhora Aparecida (Catedral) celebra neste sábado, 12, o dia de sua padroeira e também padroeira de Votuporanga e do Brasil. As festividades tem neste ano o tema: "Com Maria: escolhidos e enviados em missão!”. Também serão celebrados os 43 anos de falecimento do Frei Arnaldo, que foi Vigário em Votuporanga por 13 anos.  As celebrações iniciarão às 9h com a Santa Missa com Crianças, que também comemoram seu dia. Ao meio-dia, os fiéis poderão participar da Consagração Solene a Nossa Senhora Aparecida, consagrando suas vidas à proteção de Maria. No fim do dia, às 17h30, os fiéis sairão em procissão com a imagem da padroeira pelas ruas centrais e após a procissão, será celebrada uma Missa Solene em Louvor a Nossa Senhora Aparecida, presidida pelo padre Gilmar Margotto. Após a Missa, haverá mais uma noite de Quermesse no Centro Paroquial de Eventos.

As Festividades da Padroeira tiveram início no dia 03, com a Novena de Nossa Senhora. Durante noves dias, os fiéis puderam rezar e agradecer a Nossa Senhora. No último sábado, 5, foi iniciada a Sensacional Quermesse da Padroeira que será realizada também nos sábados 12 e 19 de outubro, sempre no Centro Paroquial de Eventos. Também está sendo realizado o Concurso Boneca e Boneco Vivos.

O povo de Votuporanga sempre teve muita fé em Nossa Senhora Aparecida, a ela foi dedicada a primeira capelinha de nossa cidade e posteriormente o bispo diocesano a nomeou como padroeira de Votuporanga.

Segundo o padre Gilmar Margotto, pároco da Catedral, “nestas celebrações, procuramos aprofundar o espírito mariano, nossa fé em Deus e o nosso compromisso como cristão. A partir do momento em que nós encontramos em Maria o modelo e exemplo de fé, nós também encontramos nela esse espírito de fraternidade e solidariedade e de modo especial o nosso espírito missionário.” Ele também falou que devemos sempre estar dispostos,  e sermos humildes e perseverantes na fé, como Maria o foi e seguirmos suas palavras: “Eis aqui a serva do Senhor”.

 

Ver matéria completa ...
43 anos de falecimento do Frei Arnaldo

Celebramos neste sábado, dia 12 de outubro, os 43 anos de falecimento do Frei Arnaldo Maria de Itaporanga, vítima de um acidente automobilístico no trevo de Nhandeara, quando vinha para Votuporanga participar das festividades da padroeira.

O saudoso frei foi vigário cooperador da paróquia Nossa Senhora Aparecida por 12 anos, tendo desempenhado um maravilhoso trabalho pastoral e cativando a todos. Fica nos a lembrança do saudoso frei corintiano e que amava a Votuporanguense.

Frei Arnaldo Maria de Itaporanga (José Figueiredo Castilho) nasceu em Itaporanga aos 4 de abril de 1928, filho de Oscarlino Figueiredo Castilho e de Maria Isabel Castilho, terceiro dos cinco filhos do casal: Celso, Maria de Lourdes, João Batista e Luiza Antonia. Entrou para o Seminário São Fidélis aos 23 de janeiro de 1946. Vestiu o hábito aos 5 de janeiro de 1949, tendo como Mestre Frei Epifânio Menegazzo. Ordenado sacerdote aos 19 de fevereiro de 1956, concluiu os estudos no final desse ano. Seu primeiro campo de apostolado foi Votuporanga, já em janeiro de 1957. Ali granjeou a estima e a amizade de toda a população, sendo bastante querido, especialmente da colônia japonesa. Soube viver intensamente, sempre jovial, alegre, simpatizante dos esportes – especialmente do futebol – e também zeloso no apostolado. Generoso, mão aberta, expansivo, não se deixava prender por muitas normas ou etiquetas. Queria ver todos felizes e alegres; onde estivesse, era sempre o centro das brincadeiras, recordando aventuras dos tempos idos e das “tramas” para fugir à austera disciplina dos rigorosos tempos de estudante. Em janeiro de 1969, com grande tristeza dos votuporanguenses, foi transferido para Ilha Solteira (SP), onde, igualmente, conquistou a todos.

Aos 12 de outubro de 1976, quando ia de Ilha Solteira para a estimada Votuporanga a fim de pregar na festa da Senhora Aparecida, padroeira local, seu carro, dirigido por Frei Ludovico Sesso foi colhido por um ônibus no Km. 509 da Rodovia Feliciano S. Cunha, no trevo de Nhandeara. Teve morte instantânea, enquanto Frei Ludovico ainda sobreviveu por algumas semanas. Mais de 5 mil pessoas participaram do funeral de Frei Arnaldo, quando houve missa concelebrada por inúmeros sacerdotes em Votuporanga, onde foi sepultado a pedido da população.

Ver matéria completa ...
Dom Moacir completará 3 anos de Ordenação Episcopal

No próximo dia 11 de outubro, Dom Moacir Aparecido Freitas, bispo diocesano de Votuporanga, celebrará o terceiro  aniversário de Ordenação Episcopal. A data será comemorada com a celebração das Santa Missa às 19h30 na Catedral.

A Ordenação Episcopal de Dom Moacir  foi realizada na Igreja Matriz do Senhor Bom Jesus de Ibitinga em 11 de outubro de 2016, tendo iniciado às 19h30 e foi presidida por Dom Paulo Cezar Costa (ordenante principal), bispo de São Carlos, e teve como ordenantes Dom Airton José dos Santos, arcebispo de Campinas, e Dom Moacir Silva, arcebispo de Ribeirão Preto. A Santa Missa também foi concelebrada por outros 11 bispos, quase cem padres e diáconos. Alguns dias depois, no dia 22 de outubro de 2016, Dom Moacir tomou posse como primeiro bispo de Votuporanga.

Dom Moacir foi nomeado como 1º bispo de Votuporanga pelo Papa Francisco no dia 20 de julho de 2016, mesma data  da criação da nova diocese de Votuporanga. Ele escolheu como lema episcopal: “Verbum panis factum est”, isto é, “A Palavra se fez pão”. Ao explicar sobre a frase escolhida disse: “para mim esse mistério da Encarnação se renova em cada Celebração Eucarística, grande expressão do amor de Deus por nós, bem como nos dá a graça para entender e viver a vontade de Deus no meio dos irmãos e irmãs”.

Dom Moacir entende que em sua missão na iocese de Votuporanga tem a oportunidade de organizar ações dentro dos princípios e diretrizes da Pastoral da Igreja. Dom Moacir descreve como três características fortes de um bispo: “anunciar Jesus Cristo, santificar o povo de Deus para que a graça Dele se mantenha em nosso meio, e apascentar o povo de Deus em Votuporanga.”

Nascido na cidade de Ibirá, São Paulo, no dia 22 de agosto de 1962, Dom Moacir Aparecido de Freitas é filho de Accacio Lopes de Freitas (in Memoriam) e de Nair Narducci de Freitas. Possui mais três irmãos: Antonio, José Carlos e Rosana. Foi batizado na Paróquia São Lourenço em Urupês no dia 02 de dezembro de 1962.

Foi ordenado diácono na Paróquia de São Lourenço de Urupês em 24 de outubro de 1987 e em 11 de dezembro do mesmo ano, recebeu a ordenação presbiteral. Ambas as ordenações aconteceram pela imposição das mãos de Dom Constantino Amstalden, bispo de São Carlos.

No seu primeiro ano de ministério (1988) foi vigário paroquial da Paróquia Nossa Senhora do Patrocínio em Jaú-SP e Capelão da Santa Casa de Jaú. Em 1989 e 1990 foi Pároco da Paróquia Nossa Senhora Aparecida em Américo Brasiliense-SP; em 1991 e 1992 foi co-pároco da Paróquia Senhor Bom Jesus em Ibitinga-SP e de 1993 a 2016 foi pároco da Paróquia Santa Teresa d’Ávila em Ibitinga.

Na diocese de São Carlos exerceu as funções de representante do Conselho de Presbíteros em 1989; Coordenador da Pastoral Catequética na Região Pastoral IV (1992-1996); Coordenador Diocesano da Comissão Testemunho no Projeto Rumo ao Novo Milênio (1997-1999); Coordenador da Escola de Teologia para Agentes de Pastoral na Região Pastoral IV (2001-2004) e Diretor Espiritual no Seminário de Teologia “Casa de Formação São Carlos”, na cidade de Campinas (2008-2016).

O Papa Francisco no dia 20 de julho de 2016 criou a nova Diocese de Votuporanga-SP e nomeou Dom Moacir Aparecido de Freitas para ser seu primeiro bispo.

Ver matéria completa ...
Participe da Quermesse da Catedral

A Comunidade Paroquial da Catedral Nossa Senhora Aparecida de Votuporanga realizará as festividades em Honra da Padroeira, que será promovida no mês de outubro. De 3 a 11 de outubro será realizada a Novena. No dia 12, dia de Nossa Senhora Aparecida, serão celebradas Missas no período da manhã e da tarde. 
A tradicional Quermesse será realizada no Centro Paroquial de Eventos aos sábados, dias 05, 12 e 19 do mês de outubro. A paróquia conta com a colaboração da comunidade também com a doação de prendas. Aqueles que puderem e sentirem o chamado para fazer doações podem entrar em contato com a secretaria paroquial, localizada na Rua São Paulo, nº 3577, ou pelo telefone 3421-6245. 
Durante o período de Quermesse também é realizado o tradicional Concurso Boneca e Boneco Vivos, nos quais as crianças aprendem a colaborar com a Igreja desde pequenas.

Ver matéria completa ...
Tudo o que deve saber sobre o Sínodo da Amazônia

Devemos olhar o nosso mundo com simpatia, sem medo, sem preconceitos e com coragem, como Deus olha para ele, sentindo como nossas as dores, as alegrias e as esperanças dos nossos irmãos; e daí anunciar com a vida e a palavra, e fazer ‘conhecer e amar Jesus e Maria’, com a criatividade de diaconias e obras de apostolado.

Foi o que disse o Papa às participantes do 37º Capítulo Geral da Congregação de Jesus-Maria (cerca de 70 religiosas), recebidas por Francisco no final da manhã deste sábado, 5, na Sala do Consistório, no Vaticano.

O Santo Padre aludiu ao tema escolhido pelas religiosas para o Capítulo: “Em caminho, com esperança, como uma família apostólica” – tomando como ícone bíblico a visitação de Nossa Senhora a sua Prima Isabel, referindo-se em seguida à fundadora da Congregação, Santa Claudina Thévenet, que iniciou esta obra apostólica sobre os pequenos e sobre a pobreza. “Nestes 200 anos difundiu-se no mundo inteiro, a ponto de estar presente hoje em 28 países e em 4 continentes”, ressaltou.

Em seu discurso o Santo Padre indicou às religiosas três caminhos para continuar caminhando, haurindo-os da oração que serviu a elas para a preparação do Capítulo Geral.

Testemunhas da bondade misericordiosa de Deus

“O primeiro caminho é ser testemunhas da bondade misericordiosa de Deus. Esta foi a experiência fundante de Santa Claudina, conhecer a bondade de Deus, um Deus misericordioso que perdoa.”

“A fundadora de vocês soube olhar a realidade a partir de Deus que é bom e ama as pessoas com um amor incondicionado. Deus nos olha e nós experimentamos a sua misericórdia; com a sua bondade muda a realidade amando-a.”

“Somente com este olhar tornam-se novas todas as coisas; somente deixando-nos olhar pelo Senhor, como a Virgem Maria, poderemos olhar a realidade com os olhos de Deus e ser suas testemunhas, porque o olhar de Deus muda e educa o nosso olhar”, ressaltou.

Vida de fraternidade e solidariedade

“O segundo caminho para caminhar é vida de fraternidade e solidariedade. Vocês são um corpo apostólico que vive em comunidade fraterna. Desse modo se encorajam reciprocamente no seguimento de Jesus e suscitam novas vocações. É necessário aprofundar a comunidade com relações sempre mais evangélicas, de modo que se tornem fraternidade sempre mais apostólicas, irmãs em missão, capazes de ‘contagiar’ outros jovens a fim de que possam seguir esta forma de consagração.”

Para tal fim é preciso abrir-se ao encontro com os jovens: mediante o testemunho poderão ver em vocês algo diferente que o mundo não pode oferecer: a alegria de seguir Cristo. “A vida fraterna em comunidade é profecia para o mundo”, enfatizou.

Discernir e ter a coragem de ir além

“O último caminho que gostaria de indicar é discernir e ter a coragem de ir além. A Igreja é missionária, porque Deus é missionário. Deus se abre em saída, entra no mundo e assume o humano. Vocês participam desta missão com a vida e o apostolado de vocês, porque o testemunho é primordial na evangelização.”

Antes de despedir-se, o Santo Padre quis deixar uma premente exortação para as religiosas: “como o amor se demonstra nas obras, não se cansem de mostrar a bondade de Deus mediante as obras apostólicas que realizam”.

Ver matéria completa ...
15 frases de santos e beatos que te farão amar mais o Santo Rosário

Desde que se começou a propagar a devoção ao Santo Rosário, por pedido da Virgem Maria no século XIII, muitos santos e beatos ao longo do tempo tiveram uma profunda devoção a esta oração mariana e ajudaram na sua difusão. A seguir, apresentamos 15 frases de quem cresceu na santidade com o Rosário:

1. São Pio X

“Se quiserdes que a paz reine em vossas famílias e em vossa Pátria, rezai todos os dias, em família, o Santo Rosário”.

 2. São Francisco de Sales

“O Santo Rosário é a melhor devoção do povo cristão”.

3. São Luis Maria Grignion de Montfort

“A prática do Santo Rosário é verdadeiramente grande, sublime, divina. Foi o Céu que vo-la deu para converter os pecadores mais endurecidos e os hereges mais obstinados”.

4. Santo Afonso Maria de Ligório

“Se quisermos, pois, ajudar as santas almas do purgatório, procuremos rogar por elas à Santíssima Virgem em todas as nossas orações, aplicando-lhes especialmente o Santo Rosário, que lhes dá grande alívio”.

5. Santo Antônio Maria Claret

“Felizes as pessoas que rezam bem o Santo Rosário, porque Maria Santíssima lhes obterá graças na vida, graças na hora da morte e glória no Céu”.

6. São João Maria Vianney (Cura d'Ars)

“Com esta arma, afastei muitas almas do diabo”.

7. São João Bosco

“Todas as minhas obras e trabalhos têm como base duas coisas: a Missa e o Rosário”.

8. Santa Teresinha do Menino Jesus (Teresinha de Lisieux)

“Pelo Rosário, podemos tudo alcançar. Segundo uma bela comparação, é uma longa cadeia que liga o céu e a terra: uma das extremidades está entre as nossas mãos e a outra nas da Santíssima Virgem. Enquanto o Rosário for rezado, Deus não poderá abandonar o mundo, pois essa oração é poderosa em seu coração”.

9. Beato Paulo VI

“A recitação do Rosário requer um ritmo tranquilo e certa demora a pensar, que favoreçam, naquele que ora, a meditação dos mistérios da vida do Senhor, vistos através do Coração d’Aquela que mais de perto esteve em contato com o mesmo Senhor”.

10. São João XXIII

“O Rosário é uma excelente forma de oração meditada, composta como uma coroa mística”.

11. São João Paulo II

“O Rosário acompanhou-me nos momentos de alegria e nas provações. A ele confiei tantas preocupações; nele encontrei sempre conforto”.

12. Santa Teresa de Calcutá

“Apegue-se ao Rosário como as folhas de hera se agarram na árvore; porque sem Nossa Senhora não podemos permanecer”.

13. São Pio de Pietralcina

“Amai Nossa Senhora e tornai-A amada. Rezai sempre o seu Rosário e divulgai-o”.

14. São João Berchmans

“Deem-me minhas armas: a cruz, a coroa do Rosário da Santíssima Virgem e as regras da Companhia. Estas são minhas três prendas mais amadas; com elas morrerei feliz”.

15. São Miguel Febres

“Um cristão sem Rosário é um soldado sem armas”.

Ver matéria completa ...
O olhar de Deus muda e educa nosso olhar, diz Papa a religiosas

“Devemos olhar o nosso mundo com simpatia, sem medo, sem preconceitos e com coragem, como Deus olha para ele, sentindo como nossas as dores, as alegrias e as esperanças dos nossos irmãos; e daí anunciar com a vida e a palavra, e fazer ‘conhecer e amar Jesus e Maria’, com a criatividade de diaconias e obras de apostolado.”

Foi o que disse o Papa às participantes do 37º Capítulo Geral da Congregação de Jesus-Maria (cerca de 70 religiosas), recebidas por Francisco no final da manhã deste sábado, 5, na Sala do Consistório, no Vaticano.

O Santo Padre aludiu ao tema escolhido pelas religiosas para o Capítulo: “Em caminho, com esperança, como uma família apostólica” – tomando como ícone bíblico a visitação de Nossa Senhora a sua Prima Isabel, referindo-se em seguida à fundadora da Congregação, Santa Claudina Thévenet, que iniciou esta obra apostólica sobre os pequenos e sobre a pobreza. “Nestes 200 anos difundiu-se no mundo inteiro, a ponto de estar presente hoje em 28 países e em 4 continentes”, ressaltou.

Em seu discurso o Santo Padre indicou às religiosas três caminhos para continuar caminhando, haurindo-os da oração que serviu a elas para a preparação do Capítulo Geral.

Testemunhas da bondade misericordiosa de Deus

“O primeiro caminho é ser testemunhas da bondade misericordiosa de Deus. Esta foi a experiência fundante de Santa Claudina, conhecer a bondade de Deus, um Deus misericordioso que perdoa.”

“A fundadora de vocês soube olhar a realidade a partir de Deus que é bom e ama as pessoas com um amor incondicionado. Deus nos olha e nós experimentamos a sua misericórdia; com a sua bondade muda a realidade amando-a.”

“Somente com este olhar tornam-se novas todas as coisas; somente deixando-nos olhar pelo Senhor, como a Virgem Maria, poderemos olhar a realidade com os olhos de Deus e ser suas testemunhas, porque o olhar de Deus muda e educa o nosso olhar”, ressaltou.

Vida de fraternidade e solidariedade

“O segundo caminho para caminhar é vida de fraternidade e solidariedade. Vocês são um corpo apostólico que vive em comunidade fraterna. Desse modo se encorajam reciprocamente no seguimento de Jesus e suscitam novas vocações. É necessário aprofundar a comunidade com relações sempre mais evangélicas, de modo que se tornem fraternidade sempre mais apostólicas, irmãs em missão, capazes de ‘contagiar’ outros jovens a fim de que possam seguir esta forma de consagração.”

Para tal fim é preciso abrir-se ao encontro com os jovens: mediante o testemunho poderão ver em vocês algo diferente que o mundo não pode oferecer: a alegria de seguir Cristo. “A vida fraterna em comunidade é profecia para o mundo”, enfatizou.

Discernir e ter a coragem de ir além

“O último caminho que gostaria de indicar é discernir e ter a coragem de ir além. A Igreja é missionária, porque Deus é missionário. Deus se abre em saída, entra no mundo e assume o humano. Vocês participam desta missão com a vida e o apostolado de vocês, porque o testemunho é primordial na evangelização.”

Antes de despedir-se, o Santo Padre quis deixar uma premente exortação para as religiosas: “como o amor se demonstra nas obras, não se cansem de mostrar a bondade de Deus mediante as obras apostólicas que realizam”.

Ver matéria completa ...
7 coisas que não sabia sobre o significado e os efeitos da oração do Rosário

Pe. Juan Phalen, sacerdote da Congregação da Santa Cruz, é conhecido pelo seu trabalho no Apostolado do Rosário em Família. Neste mês do Rosário, apresentamos 7 coisas que todo cristão deve conhecer sobre o profundo significado e os efeitos curiosos do Santo Rosário, que Pe. Phalen compartilhou com o Grupo ACI.

1. O Rosário é cristocêntrico

Embora seja uma das orações marianas mais populares, Pe. Phalen sublinha que a oração do Rosário é “cristocêntrica”, porque tem a ver com a vida de Jesus.

“Quando era criança, pensava que o Rosário era sobre a vida de Maria – contou o sacerdote –, mas aprendi ao longo do tempo que é uma coleção de mistérios que se concentram completamente na vida de Jesus” e ao rezá-lo “estamos conhecendo melhor Cristo”.

2. A sua origem está na Bíblia

Tanto as orações como os mistérios que formam o Rosário vêm de pequenas passagens e palavras da Bíblia. “As orações principais são o Pai Nosso, a Ave Maria e o Glória. Tudo isso está na Bíblia”, recordou o sacerdote.

“Os mistérios são acontecimentos centrais na vida de Jesus, no grande mistério da redenção”, explica e acrescenta que é uma contemplação da Escritura.

3. Une as famílias que rezam

Uma frase muito popular entre os católicos é “família que reza unida, permanece unida”. Foi pronunciada pelo Servo de Deus, Pe. Patrick Peyton, membro da Congregação da Santa Cruz e fundador do Rosário em Família e de Holy Cross Family Ministeries (Pastoral da Santa Cruz).

Como membro desta congregação, Pe. Phalen explica que segundo o lema de Pe. Peyton, quando a família se reúne em nome de Jesus e rezam juntos o rosário, torna-se mais forte.

4. Traz paz para o mundo

Outro lema de Pe. Peyton foi “um mundo em oração é um mundo em paz” e surgiu a partir da experiência deste Servo de Deus durante a Segunda Guerra Mundial.

Naquela época, “todo o mundo estava concentrado na oração pedindo pela paz e realmente conseguiram a paz com muitas pessoas rezando o Rosário. É possível ter paz no mundo se todos começarem a rezar”, disse Pe. Phalen.

5. É um sacramental

O Santo Rosário pertence ao grupo dos “sacramentais” que, de acordo com o Catecismo (1667), são “são sinais sagrados por meio dos quais, imitando de algum modo os sacramentos, se significam e se obtêm, pela oração da Igreja, efeitos principalmente de ordem espiritual”.

Por meio deles, explica o Catecismo, “dispõem-se os homens para a recepção do principal efeito dos sacramentos e são santificadas as várias circunstâncias da vida”.

6. Tranquiliza a pessoa que reza e diminui a pressão sanguínea

O Rosário ajuda a pessoa a se tranquilizar, o qual é muito importante na vida familiar.

“Os médicos dizem que a pressão alta diminui quando a pessoa reza o Rosário. É verdade, foi provado cientificamente. A pessoa se tranquiliza ao repetir as orações ‘Ave Maria’, enquanto estamos pensando nos acontecimentos da vida de Jesus e o que aconteceu na nossa vida”, acrescentou o religioso.

Na verdade, um estudo de 2001 publicado na Grã-Bretanha diz que rezar o Rosário é uma prática particularmente saudável para aqueles que sofrem de hipertensão arterial porque ajuda a estabilizar a frequência cardíaca.

7. Ao rezar viva os mistérios da fé

Pe. Phalen garante que é possível revisar e reviver a própria vida em cada dezena do Santo Rosário ao meditar os mistérios. O sacerdote propõe pensar nos momentos que se teve um “anúncio” importante na nossa vida de fé, a “visita” de alguém especial ou quando se espera o “nascimento” de um bebê.

O sacerdote encoraja a recordar essas experiências, especialmente quando se reza em família. “O que mais importa na nossa vida é a fé, a fé em Deus e como estamos diante de Deus. Queremos falar sobre isso e a melhor maneira de fazê-lo é rezando o Santo Rosário”, acrescentou.

Ver matéria completa ...
Papa cria 13 novos cardeais

O Papa Francisco criou, este sábado 5 de outubro, 13 novos Cardeais para a Igreja católica em um consistório celebrado na Basílica de São Pedro do Vaticano.

Os novos Cardeais são o Cardeal Miguel Angel Ayuso Guixot, Presidente do Pontifício Conselho para o Diálogo Interreligioso, (67 anos, Espanha); o Cardeal José Tolentino Mendonça, Bibliotecário da Santa Romana Igreja, (53 anos, Portugal); o Cardeal Ignatius Suharyo Hardjoatmodjo, Arcebispo de Jakarta (69 anos, Indonésia). O Cardeal Juan García Rodriguez, Arcebispo de Havana (71 anos, Cuba); o Cardeal Fridolin Ambongo Besungu, O.F.M. Cap, Arcebispo de Kinshasa (59 anos, República Democrática Do Congo); o Cardeal Jean-Claude Höllerich, Sj, Arcebispo de Luxemburgo (61 anos); o Cardeal Alvaro Ramazzini Imeri, Bispo de Huehuetenamgo (72 anos, Guatemala).

O Cardeal Matteo Zuppi, Arcebispo de Bolonha (63 anos, Itália); o Cardeal Cristóbal Romero, SDB, Arcebispo de Rabat (67 anos, Marrocos); o Cardeal Michael Czerny, Sj, Subsecretário da Seção Migrantes do Dicasterio para o Serviço do Desenvolvimento Humano Integral, (73 anos, República Tcheca-Canadá).

O Cardeal Michael Louis Fitzgerald, Arcebispo Emérito de Nepte (82 anos, Tunísia); o Cardeal Sigitas Tamkevicius, SJ, Arcebispo Emérito de Kaunas (80 anos, Lituânia) e o Cardeal Eugenio dal Corso, Bispo Emérito de Benguela (80 anos, Angola).

Dos novos Cardeais, 10 são eleitores e poderão participar do futuro conclave em que sairá eleito o sucessor do Papa Francisco. Os outros 3 Cardeais, ao ter mais de 80 anos, não são eleitores.

Em sua homilia, o Santo Padre refletiu sobre a compaixão de Jesus, “uma palavra chave do Evangelho”.  E explicou que “nos Evangelhos, frequentemente vemos o Jesus que sente compaixão pelas pessoas que sofrem”, entretanto, assinalou que a compaixão do Senhor “não é uma atitude ocasional e esporádica, a e sim constante.

“Mais ainda!Esta parece ser a atitude de seu coração, no qual se encarnou a misericórdia de Deus”.

“Jesus”, afirmou, “é redentor do homem. Redentor na compaixão. Ele encarna a vontade de Deus de purificar o ser humano doente da lepra do pecado; Ele é a ‘mão estendida de Deus’ que toca nossa carne doente e realiza esta obra enchendo o abismo da separação”.

“Chegados a este ponto podemos nos perguntar: Somos conscientes de que fomos os primeiros em ser objeto da compaixão de Deus?”, perguntou Francisco.

E se dirigiu de forma particular aos novos Cardeais: “Está viva em vós esta consciência, de ter sido e de estar sempre precedidos e acompanhados por sua misericórdia?”.

O Papa insistiu: “Temos viva a consciência desta compaixão de Deus para nós? Não é uma opção, nem sequer diria de um ‘conselho evangélico’. Não. Trata-se de um requisito essencial. Se não me sentir objeto da compaixão de Deus, não compreendo seu amor. Não é uma realidade que se possa explicar. Ou a sinto ou não a sinto. E se não a sinto, como posso comunicá-la, testemunhá-la, dá-la? Concretamente: Tenho compaixão desse irmão, desse bispo, desse sacerdote? Ou destruo sempre com minha atitude de condenação, de indiferença?”.

“A capacidade de ser leal no próprio ministério depende também desta consciência viva. Também para vós, irmãos Cardeais. A disponibilidade de um Cardeal a dar seu próprio sangue –que está simbolizada pela cor vermelha da vestimenta–, é segura quando se apóia nesta conscientiza de ter recebida compaixão e na capacidade de ter compaixão”.

Do contrário, “não se pode ser leal. Muitos comportamentos desleais de homens de Igreja dependem da falta deste sentido da compaixão recebida, e do costume de olhar a outra parte, o costume da indiferença”

O Papa finalizou sua homilia: “Peçamos hoje, por intercessão do apóstolo Pedro, a graça de um coração compassivo, para que sejamos testemunhas daquele que nos olhou com misericórdia, escolheu-nos, consagrou-nos e nos enviou a levar a todos seu Evangelho de salvação”.

Ver matéria completa ...
Ordem Franciscana completa 30 anos de atuação em Votuporanga

Neste dia 04 de outubro, Dia de São Francisco de Assis, a Ordem Franciscana Secular (OFS) completa 30 anos de atuação em Votuporanga. Há 30 anos atrás, em celebração presidida pelo Padre Nino Carta foi eregida canônicamente a Fraternidade do Coração de Maria e na oportunidade professaram a regra da OFS os primeiros franciscanos seculares de nossa cidade. Atualmente a OFS conta com 78 membros que atuam nas paróquias de Votuporanga.

No ano de 1221, portanto há quase 800 anos, São Francisco criou a Terceira Ordem, destinada aos leigos (casados e solteiros) que queriam segui-lo na sua proposta de vida. Atualmente, após a aprovação da Regra e Vida pelo Papa Paulo VI, passou a ser denominada de “Ordem Franciscana Secular”, justamente para dar a identidade de seculares, e não religiosos, aos seus membros. Por serem seculares (inseridos no mundo), os franciscanos leigos vivem o carisma e a espiritualidade franciscanas na família, no trabalho, na política, na sociedade e, claro, na Igreja. 

A vivência como irmãos e irmãs, objetivo maior, é feita através das Fraternidades, formadas pelos professos, ou seja, por aquelas pessoas que, após um período de estudo e convivência, fizeram a profissão solene (votos) perante a Igreja. 

Em Votuporanga a Fraternidade do Coração de Maria tem 78 membros. A Fraternidade é conduzida por um Conselho, eleito a cada 3 anos. A Ministra atual é Terezinha dos Reis Santos e tem a Assistência Espiritual da Irmã Claudenice Aparecida Sabadin. 

Canonicamente a Fraternidade de Votuporanga está vinculada à Paróquia Nossa Senhora Aparecida. No entanto, dentre os seus membros há irmãos e irmãs de todas as Paróquias da cidade. No Estado de São Paulo há 84 Fraternidades.

Ver matéria completa ...
Catedral realizará Benção dos Animais

A Paróquia Nossa Senhora Aparecida, Catedral de Votuporanga, realiza a tradicional benção dos animais, plantas e sementes, neste sábado (05/10), em comemoração ao dia de São Francisco, santo protetor dos animais e da natureza.
A benção será realizada em frente à Catedral Nossa Senhora Aparecida, iniciando às 9h. Leve seu animalzinho de estimação, sua plantinha ou a semente da sua futura plantação para serem abençoados, além de poder conhecer um pouco mais sobre o espírito franciscano.

São Francisco de Assis
Francisco de Assis nasceu na cidade de Assis, Úmbria, Itália, em 1182. Pertencia à burguesia, e dessa condição tirava todos os proveitos. Como seu pai, tentou o comércio, mas logo abandonou a ideia por não ter muito jeito para isso. Sonhou, então, com as glórias militares, procurando desta maneira alcançar o status que sua condição exigia. Contudo, em 1206 para espanto de todos, Francisco de Assis abandonou tudo, andando errante e maltrapilho, numa verdadeira afronta e protesto contra sua sociedade burguesa. Entregou-se totalmente a um estilo de vida fundado na pobreza, na simplicidade de vida, no amor total a todas as criaturas. Com alguns amigos deu início ao que seria a Ordem dos Frades Menores ou Franciscanos. Com Santa Clara, sua dileta amiga, fundou a Ordem das Damas Pobres ou Clarissas. Em 1221, sob a inspiração de seu estilo de vida nasceu a Ordem Terceira para os leigos consagrados. O pobrezinho de Assis, como era chamado, foi uma criatura de paz e de bem, terno e amoroso. Amava os animais, as plantas e toda a natureza. Poeta, cantava o Sol, a Lua e as Estrelas. Sua alegria, sua simplicidade, sua ternura lhe granjearam estima e simpatia tais que fizeram dele um dos santos mais populares dos nossos dias.

Ver matéria completa ...
Catedral inicia Festividades da Padroeira

A Paróquia Nossa Senhora Aparecida (Catedral) inicia as celebrações das Festividades da Padroeira com a Novena de Nossa Senhora Aparecida nesta quinta-feira (3/10). 
Como de costume, a Novena será realizada nos noves dias que antecedem o Dia da Padroeira, 12 de outubro, sendo que no dia 11 a Missa será presidida pelo bispo diocesano, Dom Moacir Aparecido de Freitas, que nesta data completará três anos de ordenação episcopal. 
No dia 12 de outubro, Dia da Padroeira, as celebrações iniciam logo cedo com a Santa Missa pelas Crianças às 9h. Um pouco mais tarde, às 12h, será celebrada a Consagração Solene a Nossa Senhora Aparecida. Ao fim do dia, às 17h30, será celebrada a Procissão e Santa Missa Solene de Nossa Senhora Aparecida.
A Sensacional Quermesse em Louvor a Nossa Senhora Aparecida será realizada nos sábados 05, 12 e 19 de outubro, no Centro Paroquial de Eventos da Catedral. No dia 19, será realizada a Final do Concurso Boneca e Boneco Vivos.
 

Ver matéria completa ...
Pastoral da Criança da Catedral completa 25 anos

A Pastoral da Criança da Catedral Nossa Senhora Aparecida, da Diocese de Votuporanga, completou 25 anos no último mês. Para celebrar a data, foi realizada uma missa no último dia 21 de setembro (sábado).
De acordo com a coordenadora da Pastoral da Criança da Catedral, Ana Paula Miamoto, são atendidas mais de 40 crianças mensalmente no bairro Matarazzo. “A paróquia atende uma comunidade e estuda ampliar o atendimento para mais um bairro na cidade. O objetivo é atender o maior número de pessoas, por um mundo sem mortes materno-infantis evitáveis e onde todas as crianças, mesmo as mais vulneráveis, viverão num ambiente favorável ao seu desenvolvimento".
Durante os atendimentos, são realizadas orientações básicas de saúde, nutrição, educação e cidadania, fundamentadas na fé. A Pastoral da Criança busca mães que desejam ser acompanhadas desde a gravidez, utilizando orientações baseadas no Ministério da Saúde. “A cada visita para as famílias, nós atualizamos as informações sobre desenvolvimento e atendimentos dos serviços públicos básicos de saúde, fornecendo dados estatísticos para o Ministério da Saúde e Educação”, explicou a coordenadora.
A data da primeira pesagem pela celebração da vida foi em 16 de outubro de 1994, após criação e formação dos líderes da Pastoral da Criança.
Em Votuporanga, a Pastoral está instalada na Rua Dr. Joaquim Franco García, nº 1750, no bairro Jardim das Palmeiras I – Matarazzo.

Diocese de Votuporanga
Segundo dados da Pastoral da Criança Diocesana, atualmente, são atendidas mais de 1.100 crianças menores de seis anos, e cerca de 990 famílias são acompanhadas mensalmente em 44 comunidades. Os números são referentes ao primeiro trimestre deste ano.

Pastoral da Criança
A Pastoral da Criança é reconhecida como uma das mais importantes organizações do mundo a trabalhar em programas voltados ao desenvolvimento integral das crianças, desde o ventre materno até os seis anos de idade. As atividades acontecem no contexto familiar e comunitário. Trata-se de um organismo de ação social da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).

Ver matéria completa ...
Catedral acolhe coroinhas e acólitos para encontro diocesano

A Diocese de Votuporanga realizou no último domino, dia 22 de setembro, a terceira edição do Encontro de Coroinhas e Acólitos. O evento aconteceu na Catedral Nossa Senhora Aparecida, reunindo crianças e jovens que aceitaram a missão de servir ao altar nas celebrações eucarísticas das paróquias e comunidades.

O encontro tem como objetivo propiciar um momento de animação, oração, reflexão e unidade. Mais de 500 pessoas participaram, além de padres, seminaristas e religiosos. O tema da terceira edição foi “Batizados e Enviados”, dialogando com as Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil 2019-2023, propostas pela CNBB – Conferência Nacional dos Bispos do Brasil.

A programação contou com apresentações de teatro e dança dos coroinhas e acólitos das Paróquias Santo Antônio, de Cosmorama e Santa Joana, de Votuporanga e da Catedral. A animação ficou por conta da Banda Neos e as reflexões foram conduzidas pelos seminaristas Guilherme Poloni e Ancelmo José. O encerramento do encontro aconteceu com a Santa Missa, que foi presidida pelo bispo, Dom Moacir Aparecido de Freitas e concelebrada pelos padres Gilmar Antônio Margotto e Murilo de Souza da Silveira.

Thaís Borges Jorge, 24, é acólita na Paróquia São João Batista, de Américo de Campos, e participa desde a primeira edição. Ela destaca o quanto o evento contribui na sua formação. “O encontro é muito importante pelo fato de nos reunirmos com mais pessoas que servem ao altar como nós, que vivenciam a mesma experiência e amor pela Santa Igreja. Quando servimos, nos tornamos servos, servos por amor, ficando cada vez mais próximos do Reino. O encontro diocesano nos permite refletir, rezar, trocar experiências e nos abastecer para continuarmos firmes na pastoral.”

Para a coroinha Maria Luiza Santana Pereira, 11, da Paróquia Nossa Senhora do Livramento, de Buritama, que participou pela primeira vez, o sentimento não é diferente. “Podemos perceber com o encontro o quanto o nosso trabalho é importante, além de aprender sobre assuntos que ajudam na nossa formação.”

Não apenas os coroinhas e acólitos aprovam o encontro, mas também os acompanhantes. Lígia Maura Ruiz, 37, é mãe de dois coroinhas da Paróquia Senhor Bom Jesus, de Paulo de Faria, e destaca o aproveitamento dos filhos no evento. “Eles puderam entender o comprometimento no qual se submeteram a seguir, além de despertar o verdadeiro respeito e amor pela Eucaristia; também aprenderam sobre o espírito de equipe, vendo que precisam ter companheirismo, solidariedade, amizade, disponibilidade, trabalhar sempre juntos, sem competições.”

Os coroinhas e acólitos têm a função de auxiliar os padres nas celebrações eucarísticas, sendo também uma maneira de envolver crianças e adolescentes desde pequenos na missão de servir. A quarta edição do encontro deve acontecer em 2020.

Ver matéria completa ...
Catedral realizará missão de evangelização no setor 11 no dia 21/09

A Catedral Nossa Senhora Aparecida da Diocese de Votuporanga está realizando todos os meses as missões evangelizadoras no território paroquial.
A próxima missão será realizada neste sábado (21/9), a partir das 8h, e percorrerá as ruas pertencentes ao setor 11. Neste trabalho missionário iniciado no ano passado, estão sendo visitados e abençoados diversas residências e comércios localizados no território paroquial e muitas pessoas ficam emocionadas ao receberem a benção em seus lares e locais de trabalho.
A ação é realizada pelo Conselho Missionário Paroquial (Comipa) e busca ressaltar que “Todos somos Igreja Missionária”.
As próximas missões serão realizadas nos dias 26 de outubro, no setor 10; 30 de novembro, no setor 12; e 14 de dezembro, no setor 13.

Ver matéria completa ...
Quermesse da Catedral será realizada no próximo mês em Votuporanga

A Comunidade Paroquial da Catedral Nossa Senhora Aparecida de Votuporanga realizará as festividades em Honra da Padroeira, que será promovida no mês de outubro. De 3 a 11 de outubro será realizada a Novena. No dia 12, dia de Nossa Senhora Aparecida, serão celebradas Missas no período da manhã e da tarde. 
A tradicional Quermesse será realizada no Centro Paroquial de Eventos aos sábados, dias 05, 12 e 19 do mês de outubro. A paróquia conta com a colaboração da comunidade também com a doação de prendas. Aqueles que puderem e sentirem o chamado para fazer doações podem entrar em contato com a secretaria paroquial, localizada na Rua São Paulo, nº 3577, ou pelo telefone 3421-6245. 
Durante o período de Quermesse também é realizado o tradicional Concurso Boneca e Boneco Vivos, nos quais as crianças aprendem a colaborar com a Igreja desde pequenas.

Ver matéria completa ...
Diocese celebrará Mês Missionário Extraordinário

 

A Diocese de Votuporanga, em comunhão com a Igreja no mundo, celebrará no próximo mês de outubro o Mês Missionário Extraordinário (MME). A celebração de de início do MME será realizada no dia 01/10, às 19h30, na Sé Catedral de Nossa Senhora Aparecida.

Para esta celebração, o bispo diocesano, Dom Moacir, convida as 5 Regiões Pastorais da Diocese a se organizarem, trazendo uma bandeira com o símbolo do Mês Missionário Extraordinário:"Batizados e Enviados - A Igreja de Cristo em Missão no Mundo" com o nome da sua região. Na procissão de entrada, cada região entrará com sua bandeira.

Em 22 de outubro de 2017, Dia Mundial das Missões, o Papa Francisco durante o ângelus anunciava publicamente para toda Igreja sua intenção de proclamar um Mês Missionário Extraordinário em outubro de 2019 para celebrar o centenário da carta Apostólica Maximum Illudde seu predecessor o Papa Bento XV. Neste mesmo dia o santo Padre enviou uma carta ao Cardeal Fernando Filoni, prefeito da Congregação para Evangelização dos Povos e presidente do comité supremo das Pontifícias Obras Missionárias (POM), encomendando “a tarefa de preparar este evento, especialmente através de ampla sensibilização das Igrejas particulares, dos Institutos de vida consagrada e Sociedades de vida apostólica, assim como, associações, movimentos, comunidades e outras realidades eclesiais”.

Para reavivar a consciência batismal do Povo de Deus em relação a missão da Igreja, o Papa Francisco escolheu para o Mês Missionário Extraordinário o tema “Batizados e enviados: a Igreja de Cristo em missão no mundo”. Despertar a consciência da missio ad gentes e retomar com novo impulso a transformação missionária da vida e da pastoral é o objetivo deste mês que está em sintonia com a solicitude pastoral do Papa Bento XV em Maximum Illud e a vitalidade missionária expressada pelo Papa Francisco na Evangelii Gaudium: “A ação missionária é o paradigma de toda obra da Igreja” (EG 15). Trata-se de “pôr a missão de Jesus no coração da Igreja, transformando-a em critério para medir a eficácia de suas estruturas, os resultados de seu trabalho, a fecundidade de seus ministros e a alegria que eles são capazes de suscitar. Porque sem alegria não se atrai ninguém” (Reunião do Comitê diretivo do CELAM, Bogotá, 7 de setembro de 2017).
O compromisso com a conversão pessoal, comunitária e pastoral a Jesus Cristo crucificado, ressuscitado e vivo em sua Igreja, renovará o ardor e paixão por testemunhar ao mundo, através da proclamação e da experiência cristã, o Evangelho da vida e da alegria pascal (Lc 24, 46-49).

 

Clique aqui para ver mais Matérias