Família e Igreja: lugares da misericórdia


17/08/2016 - 08:06
Família e Igreja: lugares da Misericórdia

A misericórdia é marca do agir de Deus e modo de manifestar-se a nós. E nossa Família e Igreja devem continuar sendo lugares da manifestação da bondade divina. Em cada família e em cada comunidade eclesial o Pai Celeste deseja ver concretizada a sua misericórdia para buscar e acolher aqueles que, em algum momento, se fragilizaram, se magoaram, se afastaram das condições de ter uma vida digna e plena. Aqueles que foram feridos ou que se causaram feridas, a partir das escolhas feitas, dos caminhos trilhados.

Na parábola do filho pródigo do Evangelho de Lucas 15, o Pai oferece-lhe a casa, o alimento, a bebida, a libertação da situação de penúria onde seu erro o colocara, a cura de sua enfermidade física e de seu sofrimento. O filho pródigo encontra no coração do Pai Misericordioso o lugar da reconstrução de sua vida. Assim o filho tem, no Pai misericordioso, dois braços para acolhê-lo e enlaça-lo, que reencontram o que estava perdido e devolvam a vida ao que estava morto. Cada pessoa deveria ter, na Igreja e na Família, estes dois braços, e encontrar este abraço. Igreja e Família, quando se tornam extensão do abraço misericordioso do Pai, são os lugares onde o filho perdido pode ser reencontrado e recuperado.

Deus deu à Igreja e à Família as condições necessárias para exercerem esta missão. Nos sacramentos da Igreja vemos a concretização deste abraço que acolhe, que gera comunhão, que devolve a dignidade e a capacidade de agir, que cura a ferida do corpo e da alma, que renova a aliança e consagra para uma missão de cuidar a partir do cuidado recebido. No batismo somos acolhidos pelo Pai como membros regenerados de sua família. Na Eucaristia ele nos oferece o banquete, ele nos traz de volta à comunhão consigo e com os outros. Na Crisma Ele nos unge, Ele nos levanta, Ele nos faz colaboradores de sua missão de cuidar do seu projeto. Na reconciliação e na Unção Ele nos cura, nos trata. Devolve a paz. No Matrimônio e na Ordem Ele nos torna capazes de manifestar, nas alianças de amor e de cuidado com a humanidade sua própria aliança.

As relações familiares devem estar fundamentadas no amor que vem de Deus, para que a família possa realmente ser comunidade onde cada um é amado e respeitado. Fundamental para a própria sociedade, a família assim alicerçada contribui de modo essencial para a harmonia e a construção da vida humana. Hoje, infelizmente, é tão comum o drama de famílias que sofrem pela separação dos pais ou pela conduta dos genitores, prejudicial à comunidade do lar. Diante disso, cabe a nós, primeiramente, oferecer o auxilio de nossa oração, seja pelos que se preparam para constituir família, seja pelas famílias que sofrem, pelos filhos e pelos cônjuges. Cabe a comunidade eclesial apoiar as famílias para que se desenvolvam sempre mais no amor, possam superar dificuldades, restaurar os elementos fraturados, renovar o compromisso e o dom recíproco. "Deixar “de lado o ressentimento, a raiva, a violência e a vingança são condições necessárias para viver feliz.”(Papa Francisco).

Pe.Gilmar Antônio Fernandes Margotto
Igreja Matriz Nossa Senhora Aparecida


Ultimas Matérias
Dia dos Fiéis Defuntos
Solenidade de Todos os Santos
A três meses da JMJ 2019, jovens falam sobre expectativas e preparativos
Sínodo debate sobre como desenvolver uma pastoral juvenil na internet
Sínodo dos Bispos: devemos pedir perdão aos jovens
Veja Mais