A boa notícia - Catedral Votuporanga-SP
A boa notícia


23/01/2016 - 17:06
Dom Alberto Taveira Corrêa
Arcebispo de Belém do Pará (PA)


A liturgia da Igreja apresenta neste final de semana o discurso de Jesus na Sinagoga de Nazaré, início de seu ministério de anúncio da Boa Nova, antepondo o prólogo do Evangelho de São Lucas (Lc 1, 1-4.14-21), onde o autor conta ter decidido escrever de modo ordenado os acontecimentos da vida do Senhor, para que os cristãos leitores de seu texto verifiquem a solidez dos ensinamentos recebidos. Seu trabalho foi fruto de um estudo cuidadoso de tudo o que aconteceu desde o princípio. Somos levados a sério! E o evangelista põe no início do ministério público de Jesus o seu “programa”. Trata-se de um manifesto público!

Jesus age com o poder de Deus, pois o Espírito Santo está sobre ele. Não realiza apenas uma obra humana ou, quem sabe, política, mas a revelação do projeto de Deus. Sua missão é acolher misericordiosamente todos os homens e mulheres de todos os tempos para libertá-los. Realiza-se a profecia de Isaías e se inicia na história da humanidade um tempo novo, chamado de “ano da graça do Senhor”. Quem salva a humanidade é o Espírito do Senhor e não as eventuais decisões dos poderes do mundo. Até o momento presente, onde se reconhece o Senhor Jesus Cristo, é possível afirmar de novo que “hoje se cumpriu a escritura” (Cf. Lc 4, 21). Então, a pregação de Jesus na Sinagoga de Nazaré se transforma em história de todos aqueles que o escutam e acolhem sua palavra.

A novidade é perene e tem força para mudar a vida de todas as gerações e em toda a extensão do universo. Trata-se nada menos do que a iniciativa de Deus, que é Pai e Filho e Espírito Santo, vindo ao encontro da humanidade, tocando nos pontos mais sensíveis de sua história elencados na Sinagoga de Nazaré, trazendo sentido novo, rumo e salvação. Deus se compromete e aguarda a liberdade humana, à qual cabe decidir-se pelo seguimento de Jesus ou sua rejeição. Recolhamo-nos, geração de hoje, atentos à Palavra de Deus, buscando na força da pregação de Jesus a forma diferente para viver neste mundo.

O Espírito do Senhor está sobre mim, porque ele me consagrou com a unção! A novidade vem do alto. Sabemos que “todo dom precioso e toda dádiva perfeita vêm descendo do Pai das luzes, que desconhece fases e períodos de sombra” (Tg 1, 17), que derrama abundantemente sua graça e sua paz. A primeira novidade do tempo que se inaugura com Jesus Cristo é o dom, a consagração, a unção. Caem por terra todas as pretensões humanas de alcançar, com as próprias forças, aos píncaros da verdade e da graça. Faz-se necessário estar abertos para receber a unção! Jesus Cristo, o ungido do Pai, abre a tempo do Espírito Santo atuando em toda parte! Antes de tudo é um ato de abertura e de acolhida da graça, mais do que uma conquista. Feitos novas criaturas, em Cristo, resta-nos suplicar esta efusão do Espírito Santo, se queremos ser pessoas diferentes e fazer diferente o nosso mundo.

Jesus veio para anunciar a Boa-nova aos pobres. A Boa Notícia vai às periferias geográficas e existenciais do mundo. São pessoas que se abrem à ação de Deus, despojadas de pretensões. Muitas delas, humanamente nem têm mais o que perder! O amor de Deus alcança os mais pobres e distantes e, para chegar até lá, envolve a todos os que se encontram nas estradas da vida. Por isso, o amor de Deus não exclui ninguém! Todos são destinatários e têm a vocação da pobreza radical, que é reconhecer-se carente de Deus e de sua paternidade.

“Enviou-me para proclamar a libertação aos cativos... e para libertar os oprimidos”, diz o Senhor. Basta olhar ao nosso redor, para identificar as antigas e recentes formas de escravidão e cativeiro, desde as barbáries expostas pelos meios de comunicação até aquelas mais escondidas, mas concretas e presentes bem perto de nós. Certamente já ouvimos falar em cativeiro doméstico, sequestros, exigência de pagamento para resgates, para depois chegar ao medo reinante nas grandes cidades. E que dizer dos sistemas econômicos excludentes e opressores? E os cativeiros se multiplicam, quando são criados pelas próprias pessoas, escravas do dinheiro, dos vícios, da procura desenfreada do prazer, a sede incontrolável do poder, ou outras formas que se aninham numa palavra moderna e dolorosa, corrupção e suas tramas e tramoias hoje impressas na vida social, entrevendo anos e anos para a restauração de relações confiáveis entre pessoas e instituições. Pois bem, a libertação é de novo proclamada a este que é o nosso mundo e só se encontra em Jesus Cristo!

E Jesus veio para anunciar aos cegos a recuperação da vista! Cegos se aproximaram de Jesus e a cegueira, entendida em tempos antigos como maldição e castigo, torna-se ponto de partida para uma graça infinitamente maior, a salvação. Em Jericó “Jesus parou e mandou que lhe trouxessem o cego. Quando ele chegou perto, Jesus perguntou: ‘Que queres que eu te faça?’ O cego respondeu: ‘Senhor, que eu veja’. Jesus disse: ‘Vê! A tua fé te salvou’. No mesmo instante, o cego começou a enxergar de novo e foi seguindo Jesus, glorificando a Deus. Vendo isso, todo o povo deu glória a Deus” (Lc 18, 40-43). As muitas cegueiras físicas, psicológicas ou morais podem ser apresentadas ao Senhor. Trata-se de reconhecê-las e pedir com confiança! Para todos nós, vale ainda a recomendação do Apocalipse: “Compra também um colírio para curar os teus olhos, para que enxergues” (Ap 3, 17)!

Jesus veio “para proclamar um ano da graça do Senhor”. O tempo, com a sua vinda, já não é como um badalar implacável de horas insones que muitas vezes nos assustam. O tempo é oportunidade, é graça! Com a vinda do Salvador, inaugurou-se este ano perene da graça. Surge a oportunidade quando o coração se abre! E a Igreja, em sua sabedoria, ainda nos oferece experiências ímpares, adequadas a cada geração que passa por esta terra. Agora, por convocação do Papa Francisco, este ano é de “Jubileu da Misericórdia”. Fomos apresentados ao Senhor da anistia plena, o Pai das Misericórdias! Nossos pecados podem ser lavados no Sangue redentor de Jesus Cristo! O Espírito Santo foi enviado para o perdão dos pecados! Tudo fala de perdão, reconciliação, cura, graça, boa notícia!


Ultimas Matérias
Semana Nacional da Família termina neste domingo com show de Paulinho Ribeiro
1º Desperta Jovem Diocesano acontecerá nesse domingo na Santa Luzia
Coro Municipal de Fernandópolis se apresenta na Catedral de Votuporanga nesta quarta-feira
Pastoral da Criança de Votuporanga: um trabalho de amor à vida
Dom José Reginaldo Andrietta celebra missa na Catedral de Votuporanga
Veja Mais