A oração abre o céu, disse o Papa Francisco no Angelus


10/01/2022 - 18:16
Em seu Angelus dominical, o Santo Padre pediu que, no dia do Batismo do Senhor, reflitamos sobre a importância da oração e se lembrem da data do seu próprio batismo

Como vai a minha oração? Esta foi a pergunta que o Papa dirigiu aos milhares de fiéis presentes na Praça São Pedro para a oração do Angelus dominical.

O Evangelho da liturgia de hoje fala do início da vida pública de Jesus, que começa com o Batismo no rio Jordão.

Francisco convidou os fiéis a se deterem num ponto específico, quando o Evangelho de Lucas relata que, naquele momento, Jesus “estava em oração” (Lc 3,21).

E isso se repete inúmeras vezes: no início de cada dia, muitas vezes à noite, antes de tomar decisões importantes, Cristo está sempre em oração — o que revela uma relação íntima com o Pai.

Para Francisco, trata-se de um grande ensinamento para nós, pois estamos todos imersos nos problemas da vida e em muitas situações emaranhadas, chamados a enfrentar momentos e escolhas difíceis que nos puxam para baixo.

Mas se não quisermos ser esmagados, precisamos elevar tudo para o alto. E é precisamente isto que a oração faz, que não é uma via de fuga nem um ritual mágico ou uma repetição de cânticos aprendidos de cor.

“Rezar é a forma de deixar Deus agir em nós, de compreender o que Ele quer comunicar-nos mesmo nas situações mais difíceis, para ter a força para continuar.”

Oração: diálogo, silêncio e grito

A oração, continuou Francisco, ajuda-nos, porque nos une a Deus, abre-nos a um encontro com Ele. “Sim, a oração é a chave que abre o coração ao Senhor.” É dialogar com Deus é ouvir a sua Palavra, é adorar: ficar em silêncio e confiar-Lhe o que estamos vivendo. E, por vezes, é também gritar a Ele como Jó, para desabafar com Deus. “Ele nos entende bem, jamais fica bravo conosco.”

Caros irmãos e irmãs, a oração — para usar uma bela imagem do Evangelho de hoje — “abre o céu”: dá oxigênio à vida, respiro mesmo no meio dos afãs, e faz-nos ver as coisas de modo mais amplo.

Acima de tudo, permite-nos fazer a mesma experiência de Jesus no Jordão: faz-nos sentir como crianças amadas pelo Pai. Por isso, é importante saber a data do batismo, disse o Papa, convidando os fiéis a se informarem a respeito e refletirem:

“E hoje perguntemo-nos: como vai a minha oração? Será que rezo por hábito, sem querer, apenas recitando fórmulas? Ou será que cultivo a intimidade com Deus, diálogo com Ele, escuto a Sua Palavra?”

Entre as muitas coisas que fazemos, concluiu o Papa, não negligenciemos a oração: “Dediquemos tempo a ela, utilizemos invocações curtas para repetir com frequência, leiamos o Evangelho todos os dias”.



Ultimas Matérias
Papa: com o novo ano os problemas não desaparecem, mas Deus está conosco
Diácono Alan Miatello será ordenado sacerdote no dia 28 de janeiro na Catedral
Padre Gilmar Margotto completará 27 anos de vida sacerdotal
Papa batiza 16 crianças - alma descalça para receber a força de Jesus
Papa ao Dia Mundial das Missões: a identidade da Igreja é evangelizar
Veja Mais