Documento sobre Catequese aborda cultura digital e a globalização da cultura


30/06/2020 - 18:18
Elaborado pelo Pontifício Conselho para a Promoção da Nova Evangelização, o diretório destaca a íntima união entre o primeiro anúncio e o amadurecimento da fé, à luz da cultura do encontro

O novo Diretório Geral para a Catequese, herdeiro do “Diretório Geral para a Catequese” de 1971 e do “Diretório Geral para a Catequese” de 1997, publicado nesta semana no Vaticano, durante apresentação Dom Rino Fisichella, Presidente do Pontifício Conselho para a Promoção da Nova Evangelização,  traz um caminho de amadurecimento para aqueles que receberam o anúncio da Boa Nova.

O documento, elaborado pelo Pontifício Conselho para a Promoção da Nova Evangelização, foi aprovado pelo Santo Padre no dia em que a Liturgia celebrava a memória litúrgica de São Turíbio de Mogrovejo, que, no século XVI, deu um forte impulso à evangelização e à catequese.

A peculiaridade do novo Diretório é a estreita ligação entre a Evangelização e a Catequese, que destaca a íntima união entre o primeiro anúncio e o amadurecimento da fé, à luz da cultura do encontro. Tal peculiaridade – lê-se no texto – torna-se bem mais necessária diante de dois desafios para a Igreja, na época contemporânea: “a cultura digital e a globalização da cultura”.

Em mais de 300 páginas, divididas em 3 partes e 12 capítulos, o texto do novo Diretório recorda que “todo batizado é um discípulo missionário” e que “são urgentes esforços e responsabilidades, necessários para encontrar novos instrumentos de linguagem para comunicar a fé”.

Os princípios basilares, com os quais podemos agir, são três: “testemunho, misericórdia e diálogo”. Testemunho, porque “a Igreja não cresce por proselitismo, mas por atração”; misericórdia, “por meio da qual a verdadeira catequese torna crível a proclamação da fé”; diálogo, “livre e gratuito, que não obriga, mas, partindo do amor, contribui para a construção da paz”. Assim, – explica o Diretório – “a catequese ajuda os cristãos a dar pleno sentido à sua existência”.

O novo Diretório é dividido em três partes: a primeira, dedicada à “Catequese na missão evangelizadora da Igreja”, fala da formação dos catequistas; a segunda, intitulada “O processo da Catequese”, frisa a importância da família: parte integrante e ativa da evangelização; e a terceira, dedicada à “catequese nas Igrejas particulares”, ressalta o papel das paróquias, definido como “exemplo de apostolado comunitário”: catequese criativa e ensino da religião”.

Aspectos essenciais da Catequese

Outras partes especiais da Catequese, segundo o novo Diretório, são: “ecumenismo, diálogo inter-religioso com o Judaísmo e o Islamismo”. A catequese deve “despertar o desejo de unidade” entre os cristãos, se quiser ser “um instrumento crível de evangelização”. Quanto ao Judaísmo, convida-se a manter um diálogo para combater o antissemitismo e promover a paz e a justiça.

Diante do fundamentalismo violento, que, às vezes se defronta com o Islamismo, a Igreja exorta a favorecer o conhecimento e encontro com os muçulmanos. Em um contexto de pluralismo religioso, a Catequese deve “aprofundar e fortalecer a identidade dos fiéis”, promovendo o impulso missionário, mediante o testemunho e um diálogo “afável e cordial”.

Cultura digital

O novo Diretório Geral para a Catequese reflete ainda sobre a “cultura digital”, hoje “natural”, que mudou a linguagem e as hierarquias dos valores em escala global. Tal cultura é rica de aspectos positivos, apesar do seu “lado sombrio”, que pode causar solidão, manipulação, violência, cyber-bullying, preconceito, ódio. Aqui, os jovens devem ser acompanhados a buscar sua liberdade interior, para se diferenciar do “rebanho social”.

Além da cultural digital, o Documento aborda também a ciência e a tecnologia, que devem ser orientadas para melhorar as condições de vida da família humana; trata ainda da bioética, partindo do pressuposto de que “nem tudo o que é tecnicamente possível é moralmente admissível”, partindo do princípio da sacralidade e inviolabilidade da vida humana, em contraste com a cultura da morte; aconselha a discernir entre intervenções, manipulações terapêuticas e eugenia; sugere a tratar, numa perspectiva de fé, “a sexualidade, como resposta à chamada original de Deus”.

Enfim, o novo Documento do Vaticano faz referência a uma “profunda conversão ecológica”, promovida por uma catequese em defesa da Criação, do bem comum, dos direitos dos mais fracos.



Ultimas Matérias
Padre Gilmar Margotto completa mais um ano de vida no dia 02/07
Não há amor verdadeiro sem cruz, afirma Papa
Pedro e Paulo não só falaram, mas também morreram pelo seu Senhor, lembra cardeal
Papa no Angelus: a maior graça é fazer da vida um dom
Precisamos de testemunhos de que o Evangelho é possível, afirma Papa
Veja Mais