A vida vale somente se doada no amor, diz Papa na homilia


10/02/2019 - 19:32

“A vida tem valor somente na doação ao outros, no amor, na verdade, na vida cotidiana, na família”, destacou o Papa Francisco na homilia da Missa celebrada nesta sexta-feira, 8, na Casa Santa Marta. O Santo Padre refletiu sobre o Evangelho do dia (cf. Mc 6,14-29) que fala do martírio de São João Batista, o “o maior homem nascido de mulher”, segundo Jesus.

Francisco convida a abrir o coração para que o Senhor fale a cada um. Na narrativa bíblica existem quatro personagens: o rei Herodes “corrupto e indeciso”, Herodíades, a mulher do irmão do rei, “que sabia somente odiar”, Salomé, “a bailarina vaidosa”, e “o profeta decapitado solitário na prisão”. Uma narração que Francisco descreve começando pelo fim, com os discípulos de João que pedem o corpo do profeta para sepultá-lo.

João mostra Jesus

“O maior terminou assim”, comentou o Papa. “Mas João sabia, ele sabia que deveria se aniquilar. Ele o havia dito desde o início, falando de Jesus: ‘Ele deve crescer, eu, ao invés, diminuir’. E ele diminuiu até a morte. Foi o precursor”, disse Francisco, o anunciador de Jesus, que disse “Não sou eu, este é o Messias”.

O Papa recordou que João mostrou Jesus aos primeiros discípulos e depois a sua luz se apagou aos poucos, até a escuridão daquela cela, na prisão, onde, solitário, foi decapitado.

Mas por que isso aconteceu?, perguntou Francisco. “A vida dos mártires não é fácil de contar. O martírio é um serviço, um mistério, é um dom da vida muito especial e muito grande”. E, no final, as coisas se concluem violentamente, por causa de “atitudes que levam a tirar a vida de um cristão, de uma pessoa honesta, e a fazê-lo mártir”.

Diferentes atitudes 

O Papa então analisou as atitudes dos três protagonistas do martírio. Antes de tudo, o rei, que acreditava que João fosse um profeta, o ouvia de bom grado, a um certo ponto o protegia, mas o mantinha na prisão. Estava indeciso, porque João “repreendia o seu pecado”, o adultério.

No profeta, explicou o Papa Francisco, Herodes “ouvia a voz de Deus, que lhe dizia: ‘Muda de vida’, mas não conseguia fazê-lo. O rei era corrupto, e onde há corrupção, é muito difícil sair”.

Um corrupto que “buscava equilíbrios diplomáticos” entre a própria vida, não só adúltera, mas também de “tantas injustiças que levava em frente”, e a sua consciência, “que sabia que aquele homem era santo”. E não conseguia desfazer o nó.

Herodíades,  a mulher do irmão do rei, morto por Herodes para ficar com ela. O Evangelho diz dela somente que “odiava” João, porque dizia as coisas claramente. “E sabemos que o ódio é capaz de tudo – comenta Francisco – é uma grande força. O ódio é o sopro de satanás. Pensemos que ele não sabe amar, não pode amar.  O seu  “amor” é o ódio. E essa mulher tinha o espírito satânico do ódio”, que destrói.

E por fim,  o terceiro personagem, a filha de Herodíades, Salomé, brava em dançar, “que agradou tanto aos convidados, como ao rei”. Herodes, naquele entusiasmo, promete à moça “Eu te darei tudo”. “Usa as mesmas palavras – recorda o Pontífice – que usou Satanás para tentar Jesus.” Se você me adorar eu lhe darei tudo, todo o reino. ” Mas Herodes não o podia saber:

Por detrás desses personagens está satanás, semeador de ódio na mulher, semeador de vaidade na moça, semeador de corrupção no rei. E o “maior homem nascido de uma mulher” acabou sozinho, em uma cela escura da prisão, por capricho de uma dançarina vaidosa, o ódio de uma mulher diabólica e a corrupção de um rei indeciso. É um mártir, que deixou sua vida diminuísse, diminuísse, diminuísse, para dar lugar ao Messias.

O testemunho de um grande santo

João morre ali, na cela, no anonimato, “como tantos dos nossos mártires”, comenta o Papa Francisco, amargamente. O Evangelho diz somente que “os discípulos foram pegar o cadáver para  sepultá-lo”. Pensemos todos, acrescenta o Papa, que este “é um grande testemunho, de um grande homem, de um grande santo”:

A vida só tem valor no doá-la, no doá-la no amor, na verdade, no doá-la aos outros, na vida cotidiana, na família. Sempre doá-la. Se alguém pega a vida para si mesmo, para guardá-la, como o rei em sua corrupção ou a senhora com o ódio, ou a menina, a jovem com sua própria vaidade – um pouco adolescente, inconsciente  – a vida morre , a vida acaba murchando, não serve.

João, conclui Francisco, deu a sua vida: “Eu, pelo contrário, devo diminuir para que Ele seja ouvido, seja visto, para que Ele se manifeste, o Senhor”:

Eu só aconselho a vocês a não pensarem muito sobre isso, mas de recordar a imagem, os quatro personagens: o rei corrupto, a senhora que só sabia odiar, a jovem vaidosa que não tem consciência de nada, e o profeta  decapitado, sozinho em uma cela. Olhar para isso, e cada um abra o coração para que o Senhor lhe  fale  sobre isso.



Ultimas Matérias
Notre Dame: gratidão do Papa a quem arriscou a vida para salvar a Catedral
Papa Francisco visita Bento XVI e o felicita pela Páscoa e aniversário
“Na dor, Jesus nos ensina a abraçar o Pai”, afirma Papa
Semana Santa: como a Igreja determina as datas das celebrações?
Papa convida a resistir ao demônio em silêncio e deixar o Senhor agir
Veja Mais