Quaresma: Tempo de Oração, Jejum e Caridade


08/02/2018 - 22:02

A Quaresma é o tempo litúrgico de conversão, que a Igreja Católica, a Igreja Anglicana e algumas protestantes marcam para preparar os fiéis para a grande festa da Páscoa. Durante este período, os seus fiéis são convidados a um período de penitência e meditação, por meio da prática do jejum, da esmola e da oração. Ao longo deste período, sobretudo na liturgia do domingo, é feito um esforço para recuperar o ritmo e estilo de verdadeiros fiéis que pretendem viver como filhos de Deus.

A Igreja Católica propõe, por meio do Evangelho proclamado na Quarta-feira de Cinzas, três grandes linhas de ação: a oração, a penitência e a caridade.

Não somente durante a Quaresma, mas em todos os dias de sua vida, o cristão deve buscar o Reino de Deus, ou seja, lutar para que exista justiça, a paz e o amor em toda a humanidade. Os cristãos devem então recolher-se para a reflexão para se aproximar de Deus. Esta busca inclui a oração, a penitência e a caridade, esta última como uma consequência da penitência..

Campanha da Fraternidade ilumina de modo particular os gestos fundamentais desse tempo litúrgico: a oração, o jejum e a esmola.

Pelo exercício da oração, pessoal e comunitária, as pessoas se tornam sempre mais abertas e disponíveis às iniciativas da ação de Deus.

jejum e a abstinência de carne expressam a íntima relação existente entre os gestos externos da penitência, mudança de vida e conversão interior. Precisamos entender de forma apropriada dois pontos principais a respeito do Jejum e Abstinência de Carne:

O Jejum: A igreja recomenda somente dois dias de Jejum - na Quarta-Feira de Cinzas e na Sexta-Feira Santa - para cristão acima de sete anos (chamada idade da razão) e que não esteja passando por nenhuma debilidade física, doença ou tratamento que o jejum venha a prejudicar. Fazer Jejum não significa ficar totalmente sem alimentação as 24 horas do dia, mas sim deixar de fazer uma das refeições principais, de preferência o almoço. Quem tem maior resistência, pode também fazer um jejum mais acentuado, sem prejuízo da própria saúde.

Abstinência de Carne: Aqui existe um contrasenso com a recomendação da Igreja: ao longo dos anos tornou-se conveniente fazer a abstinência de carne trocando-a por peixes (salmão, bacalhau e outros peixes deliciosos)... Isso não é de maneira alguma uma abstinência, mas sim a troca da carne por um alimento ainda mais gostoso e saudável do que a carne... Onde está então o sacrifício? Em lugar nenhum, pois abster-se da carne nos dias recomendados trata-se de retirar totalmente o que chamamos de "mistura", ou seja, comer apenas o arroz e feijão como o fazem muitos pobres espalhados neste mundo... A abstnência de carne torna-se assim em um gesto de solidariedade ao sofrimento daqueles que não tem a carne ou uma "mistura" para comer, fazendo-nos sentir um pouco do sofrimento deles e transformar nossa atitude em maior benevolência com aqueles que sofrem...

esmola confere aos gestos de generosidade humana uma dimensão evangélica profunda que se expressa na solidariedade. Coloca a pessoa e a comunidade face a face com o irmão empobrecido e marginalizado, para ajudá-lo e promovê-lo.



Ultimas Matérias
Vaticano anuncia projetos para prevenir abuso de menores em todo o mundo
Dom Darci José Nicioli: “17 anos depois e o terror de 11 de setembro ainda tem seus tentáculos no mundo”
Setembro Amarelo: falar é a melhor solução. A ideia é promover o debate sobre suicídio
No Ângelus, Papa afirma: Jesus veio “abrir” os corações
Viver a novidade do Evangelho, não as novidades mundanas, pede Papa
Veja Mais