A fé precisa dos sentidos: ver, ouvir, tocar, afirma arcebispo


16/05/2020 - 09:36
O crente é feito para viver em comunidade, não isolado. O distanciamento não deverá ser a dimensão definitiva da nossa existência pessoal. É o que destaca Dom Rino Fisichella

Uma opinião diferente, com uma convicção: a pandemia não vai mudar a dimensão da fé das pessoas. Tampouco mudará suas vidas. O pensamento profundo e intelectual é de Dom Rino Fisichella, arcebispo e presidente do Pontifício Conselho para a Promoção da Nova Evangelização. Encorajado a olhar para o futuro do anúncio do Evangelho em um mundo que terá necessariamente que fazer as contas com a difusão do vírus, o arcebispo explica: “É verdade, nos próximos meses precisaremos manter a distância, mas o homem é feito para a proximidade. É um fato antropológico que não pode ser subvertido”. Confira a entrevista:

Excelência, o senhor afirma que existe também uma segunda questão…

Dom Rino Fisichella: Em tempo de internet, na cultura moderna em que nos encontramos, é difícil pensar que um episódio dramático como a pandemia que nos atingiu pode determinar e mudar nossas vidas. E a razão é simples: tudo é esquecido muito rapidamente. A cultura digital nos leva a ir além do espaço e do tempo. Infelizmente, acho que há muita retórica por aí agora e não concordo com ela.

Uma retórica sobre as supostas mudanças que serão negadas pelos fatos, porque a necessidade primária do homem é sempre a proximidade?

Dom Fisichella: É claro. Como se pode pensar que duas pessoas que se amam não apertem a mão um do outro? Como se pode pensar que duas pessoas que vão se casar vivam à distância? Como se pode pensar que os nossos jovens vivam sem sinais tangíveis de afeto? Tudo isso faz parte do homem. O homem se aproxima instintivamente, o homem não está inclinado a se distanciar; ele só o faz quando não há relação. Mas o homem é feito para o relacionamento e isso é mais verdadeiro para a dimensão da fé cristã: o crente é feito para viver em comunidade, não isolado. Obviamente, agora devemos necessariamente respeitar as distâncias, mas a distância não pode ser o futuro da existência pessoal.

Então mesmo evangelização só pode passar por alguma mudança temporária?

Dom Fisichella: A evangelização continua através de métodos e instrumentos que são um sinal de quanto o Evangelho – e, portanto, a Igreja – é capaz de entrar na vida e na história das pessoas.

Na sua opinião, que efeitos a pandemia causou à evangelização?

Dom Fisichella: Colocou à luz vários aspectos que pareciam óbvios antes, mas óbvios não são. Antes de tudo, fez-nos descobrir a importância da mídia: não esqueçamos o que nosso povo e nossos sacerdotes fizeram para manter uma relação com a celebração eucarística através das redes sociais que a cultura de hoje nos oferece. Não esqueçamos do que foi o Tríduo da Páscoa: estávamos acostumados às manifestações de nossa piedade popular com as procissões de Jesus morto e de Nossa Senhora sofrendo na Sexta-feira Santa; estávamos acostumados às visitas aos túmulos. Todas essas manifestações tiveram uma expressão diferente que nos permitiu sentir a necessidade de novos instrumentos tecnológicos.

Mas há também o outro lado da moeda.

Dom Fisichella: A pandemia nos fez compreender a necessidade de vivermos juntos a experiência da fé. Fiquei positivamente impressionado com o pedido cada vez mais urgente de poder participar da Santa Missa. Mas a evangelização não se reduz apenas ao momento sacramental. No que diz respeito à evangelização, a celebração dos sacramentos é apenas um dos pontos essenciais. Depois há outros dois: o encontro com as pessoas para proclamar a fé e o testemunho vivo da caridade. O vírus tem mostrado como é importante para nós nos vermos, estarmos juntos. Eu uso uma frase comum: a fé precisa dos sentidos: ver, ouvir, tocar. É preciso sentir – por mais paradoxal que seja – o cheiro do incenso. Tudo o que pertence à vida humana também pertence à dimensão da fé e da evangelização.



Ultimas Matérias
As razões de Irmã Lúcia para não deixar de rezar o Terço diariamente
Bento XVI escreve carta pelos 100 anos de nascimento de São João Paulo II
Papa Francisco: terceira mensagem dedicada aos deslocados
Em meio à pandemia, Vaticano publica livro Fortes na Tribulação
Basílica de São Pedro passa por limpeza especial para reabertura aos fiéis
Veja Mais